Como ordenar as Idéias (Resumo: Edivaldo Boa Ventura)

Boaventura, Edivaldo M. Como ordenar as idéias.São Paulo: Ática, 1990.

Introdução

A arte de bem exprimir o pensamento consiste em saber ordenar as idéias. Ordem que dá clareza a toda comunicação. Da reflexão, passa-se ao plano. O plano é o itinerário a seguir: “um ponto de partida”, onde se indica o que se quer dizer, e “um ponto de chegada”, onde se conclui. Construir o plano é em ultima análise estabelecer as divisões. Todo aquele que tem algo a dizer deve saber esquematizá-lo. Plano para tudo, pois “tudo depende do plano”, segundo Goethe. A propósito, eis a primeira recomendação: o plano traz clareza à exposição. A ausência do plano implica repetição. Elaborar o plano e simplesmente prever o que será comunicado. Refletindo acerca da previsão do que vai anunciar, observam-se pontos que precisam ser definidos logo no início, outros que devem aparecer no corpo da exposição e alguma coisa, finalmente, deve ser dita para concluir. Em três partes será exposto como se ordenam as idéias ou se organiza um texto. E, também, a aplicação do plano em exemplos, como fez Leon Fletcher. 1. Introdução – o anúncio do tema; 2. Corpo da exposição – o desenvolvimento por partes; 3. Conclusão – o resumo marcante.

  1. O anúncio do tema

Anuncia-se o assunto na introdução. A introdução encerra, implicitamente, toda a exposição, dando idéia de como será desenvolvida. A introdução é o espaço onde se anuncia, se coloca, se promete, se desperta… Introduzir é convidar. Mas para que se possa pensar “o que dizer” é preciso haver refletido sobre o assunto, pois anunciar pressupõe reflexão prévia. Refletir antes de anunciar – Antes de tudo, é necessário compreender plenamente o assunto, a partir do enunciado. Para tanto, aplicar todo o espírito em descobrir o alcance, implicações e limites do tema central. A função da introdução – Os receptores, ouvintes e leitores carecem de algo que lhes dê o sentido geral do tema. O convite inicial para refletir sobre as condições prévias da comunicação veio ao encontro de um intenso desejo de transmitir esta experiência de ordenação do texto e da fala. Os requisitos da introdução – Anuncia-se o assunto da seguinte maneira: primeiramente define-se a questão e depois indica-se o caminho a seguir. Esses dois requisitos – definição e indicação – são imprescindíveis a qualquer introdução. Há portanto, dois requisitos essenciais – definição e indicação – e dois acidentais – situação e motivação. Exemplo de introdução – Não basta dizer como se faz; é preciso fazê-lo.

O desenvolvimento por partes

O desenvolvimento do corpo deve ser feito por partes. Dividir o assunto como se dividem as dificuldades em parcelas, para torná-lo mais comunicativo. Esta é a mais importante e fundamental de todas as recomendações. A decomposição como condição da compreensão – O enunciado do tema encerra um mundo de sugestões, mas, pela reflexão, deve-se eleger o que interessa, e, em torno disso, centrar o ponto de vista. Para compreender é preciso explicar, e só se explica, realmente decompondo. Aproximação do plano definitivo – O plano definitivo surge à proporção que o trabalho se desenvolve – pesquisas e reflexões modificam o esboço, deslocam matérias, invertem o que estava, momentaneamente, estabelecido. No processo de elaboração, parte-se do esboço inicial, que, com tempo, reflexão e estudo, vai-se transformando, até chegar ao plano definitivo. A quantidade das parte – O corpo do assunto pode conter duas partes, no mínimo, ou três, no máximo. O plano de duas partes é mais cômodo e mais fácil porque basta opor a segunda a primeira. Com três afirmações, continua Ducassé o esquema se complica. Não dividir e considerar tudo dentro da mesma hierarquia questões principais iguais a questões secundárias. A divisão em partes, portanto comporta subdivisões. Uma vez que as questões principais estão constituídas em partes, é preciso, em seguida, esmiuçar. Há duas maneiras de representar as subdivisões: a clássica, em seções, capítulos etc.; e a numeração progressiva. Enfim, acerca dos critérios de divisão, o mais aconselhável e indagar: Qual é o melhor plano? É o plano lógico ou sistemático de duas ou três idéias principais, marcando tanto quanto possível progressão ou oposição. Tipos de divisões vitandos – Prepara-se um plano para obtenção de clareza e lógica. Repetir seria frustrar o trabalho. I. Em tema geral, evitar fazer referências particulares em uma das partes. II. Vantagens e desvantagens. O expositor deve evitar sempre a divisão fácil, procurando fazer o plano e descobrindo nele próprio as partes. III. Comparações. O assunto às vezes vem em forma de comparação, entre dois países, duas instituições ou dois conjuntos. IV. Causas e conseqüências. Situação semelhante à comparação é aquela em que o assunto da margem ao exame das causas e das conseqüências. V. Teses opostas. Apresentar-se-á, às vezes, o assunto sob a forma de teses opostas. O falso plano colocaria uma em cada parte, o que enseja a repetição. VI. Tese única a defender. O essencial agora é convencer. VII. Tema histórico. No tema histórico, far-se-á a divisão por períodos? Por fase da história? O plano é obra de sistematização e de lógica. VIII. Crítica. Há a possibilidade de o tema enunciar a crítica e de indicar a maneira como deve ser tratada. Busca do equilíbrio – A introdução, a divisão por partes e o fecho conclusivo devem formar um todo harmônico, semelhante ao corpo humano: cabeça, troco e membros. Se um aspecto foge ao tema ou se uma idéia não tem a importância devida, retirá-los impiedosamente.

O resumo marcante

A conclusão é o ponto de chegada, como a introdução é o ponto de partida. Concluir é responder. Responder em síntese conclusiva e marcante, atingindo o tema central, já desenvolvido, com o máximo de precisão e de ênfase. Ela é síntese da essência do conjunto. É o substrato. Brevidade na conclusão – O primeiro cuidado de quem conclui é dizer o essencial. O assunto já foi dissecado por partes. Já foi esclarecido em minúcias; agora, nada de delongas. Marcar para plantar – Na conclusão, carece diligenciar para demarcar o ponto de vista, e para tal cumpre deixar algo de tudo quanto se disse. Assim como não se deixa a casa sem pintura, da mesma forma não se chega ao fim sem causar impressão. Ora, por trás da pintura da casa existem os tijolos, mas é o acabamento que impressiona. É na conclusão que se marca, impressionando, ouvintes e leitores. Janela para o futuro – Quando se causa impressão, projetam-se os ouvintes para frente. Trazer em mente este último conselho: “Abra uma janela para frente, projetando o seu tema para além de você”.

Epílogo

Todas estas indicações foram uma tentativa de induzir a se pensar, sistematicamente, antes de comunicar. Se cada pessoa que se comunica pensasse, antes, no que vai dizer, reduziria a 50% as suas comunicações. O hábito de prever o que vai dizer leva a pensar a agir com ordem. Pensar, concentradamente, antes de escrever, elegendo as idéias principais do assunto. Fazer o plano da comunicação, anunciando-o, desenvolvendo-o por partes e concluindo. Resumir, maciçamente, os argumentos, deixando algo de pessoal em tudo o que disse.

Plágio além de crime é pecado!!!!!! 

About these ads
This entry was posted in Resumo/Summary. Bookmark the permalink.

2 Responses to Como ordenar as Idéias (Resumo: Edivaldo Boa Ventura)

  1. Flávia says:

    AUIHSAAIUHSIUAHUIHSAHSIHAUHSUIHASUHUSA PLÁGIO É PECADO… OK, SENTA LÁ CLAUDIA

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s